Fonte:Tópicos do Evangelho:As Etnias e o Sacerdócio:Mesmo depois de 1852, pelo menos dois mórmons negros continuaram a portar o sacerdócio

Revisão em 19h46min de 27 de junho de 2017 por FairMormonBot (Discussão | contribs) (Robô: Substituição de texto automática (-{{fonte\n\|título=(.*)\n\|categoria=(.*)\n}} +{{FairMormon}}))
(dif) ← Revisão anterior | Revisão atual (dif) | Revisão seguinte → (dif)

Índice

Tópicos do Evangelho: "Mesmo depois de 1852, pelo menos dois mórmons negros continuaram a portar o sacerdócio"

Tópicos do Evangelho em LDS.org:

Mesmo depois de 1852, pelo menos dois mórmons negros continuaram a portar o sacerdócio. Quando um desses homens, Elijah Abel, fez uma petição para receber sua investidura do templo em 1879, seu pedido foi negado. Jane Manning James, membro negro fiel que cruzou as planícies e morou em Salt Lake City até sua morte em 1908, da mesma forma, pediu para entrar no templo; ela foi autorizada a realizar batismos pelos mortos por seus antepassados, mas não recebeu permissão para participar de outras ordenanças.12 A maldição de Caim, frequentemente, era apresentada como justificativa para as restrições do sacerdócio e do templo. Na virada do século, outra explicação tomou forma: foi dito que os membros foram menos valorosos na batalha pré-mortal contra Lúcifer e, como consequência, foram impedidos de bênçãos do sacerdócio e do templo. —(Clique aqui para continuar)[1]

Notas

  1. "As Etnias e o Sacerdócio," Tópicos do Evangelho em LDS.org. (2013)