O Livro de Mórmon/Arqueologia/O sacrifício humano durante 4 período de tempo Néfi

< O Livro de Mórmon‎ | Arqueologia

Revisão em 18h57min de 29 de junho de 2017 por FairMormonBot (Discussão | contribs) (Robô: Substituição de texto automática (-{{etiqueta conclusão}} +))



Índice

Sacrifícios Humanos no período de 4 Néfi



Alguns críticos apontaram que eram realizados sacrifícios humanos na Mesoamérica durante o período da visita de Cristo, a qual, resultou em grande paz e retidão entre os povos de O Livro de Mórmon. O argumento é que Cristo destruiu todas as cidades iníquas (3 Néfi 8-9) e preservou a parte mais justa do povo. Ele estabeleceu Sua Igreja, a qual fez surgir uma sociedade de bem comum e paz que prosperou grandemente e se multiplicou pelos continentes.


Os Nefitas e sua civilização foram quase certamente uma minoria no Novo Mundo – eles não foram a civilização dominante no hemisfério ou mesmo em sua área mais local.

Perguntas e respostas detalhadas


O “problema” sobre o qual esta pergunta é baseada é a suposição de que a paz mencionada em 4 Néfi 1 deve ter coberto “todos” mesoamericanos ou habitantes do hemisfério inteiro. Somente neste caso haveria um conflito entre a paz nefita e a prática mesoamericana.

Do ponto de vista da prática mesoamericana, é certo que não há indicação de qualquer quebra em sua devoção ao sacrifício humano e que esta prática cobriu diferentes povos e a região toda conhecida como Mesoamérica.

Contudo, não é verdade que Nefitas justos teriam sido os únicos a viver na área, ou que eles foram um grupo suficientemente grande que cobriu a área inteira. A história dos Nefitas justos começa com a, e não vai muito além da, cidade de Abundância. Esta é uma localidade e, baseada nos tamanhos típicos das cidade mesoamericanas, talvez 30-40.000 pessoas nas cidades e terra circunvizinhas. Expanda esse número para várias outras cidades na mesma área e terá a minoria da população. O texto de O Livro de Mórmon não apoia a ideia de que a paz cobriu cada pessoa que vivia na Mesoamérica. Por essa lógica, deve ter coberto o hemisfério inteiro, a qual certamente não aconteceu.

Então, a resposta é a maneira que as pessoas usam o termo “todo”. Geralmente significa “todos que estão imediatamente cientes.” Não é incomum para povos antigos dizer “todo” o mundo, mas significa somente uma pequena porção dele. Jesus diz a Seus discípulos “Ide por todo o mundo, pregai o evangelho a toda criatura” (Marcos 16:15). Eles não o fizeram, pelo menos não literalmente (nem “todo o mundo” nem toda “criatura”).

Note que, em O Livro de Mórmon (4 Néfi 1:2) , o povo estava “todo convertido” ao evangelho no trigésimo sexto ano. Teria sido um esforço considerável viajar e pregar por toda a Mesoamérica naquele ano. Com certeza, o versículo 1 nos ensina que isso só dizia respeito às “terras ao redor” de Abundância. Agora, é claro, nós temos o problema ao definir “terras ao redor”, mas não há nada em O Livro de Mórmon que sugira que as deveríamos ver como alguma coisa, mas bastante limitado (neste caso, provavelmente terras pertencentes às cidades vizinhas).